Vaticano condena tentativa de manobras nos trabalhos do Sínodo

O porta-voz do Vaticano denunciou nesta terça-feira, 13, no Vaticano, as manobras de quem procurar “condicionar” os trabalhos do Sínodo dos Bispos, em resposta à publicação de uma alegada carta de protesto de 13 cardeais.

Na carta, vários cardeais teriam manifestado ao Papa sua preocupação com a forma como o sínodo seria conduzido, chamando atenção para o fato de a comissão redatora do documento final não ter sido eleita mas nomeada.

“Quem divulgou, dias depois, este texto e esta lista de assinaturas, levou a cabo um ato de perturbação que não era pretendida pelos signatários”, disse o padre Federico Lombardi, em coletiva de imprensa.

O diretor da sala de imprensa da Santa Sé observou que 24 horas depois da publicação do documento, pelo menos quatro dos supostos assinantes desmentiram ter enviado tal carta ao Papa.

O cardeal George Pell explicou, em reação a esta publicação, que a carta era “privada e assim deveria permanecer” e que aquilo que foi publicado na internet “não correspondia nem ao texto nem às assinaturas” que foram entregues a Francisco.

Segundo o padre Lombardi, em 5 de outubro foram feitas observações sobre a metodologia do Sínodo, na segunda reunião geral da assembleia.

Essas dificuldades foram abordadas na manhã do dia seguinte pelo próprio Papa, numa intervenção não programada, segundo recordou o porta-voz do Vaticano. “É preciso não deixar-se condicionar por isto”, pediu.

Padre Lombardi ainda considerou que fazer observações sobre a metodologia do Sínodo, que é nova, é algo que “não espanta”. “Há o compromisso de implementar a metodologia da melhor forma possível, com uma vastíssima colaboração para fazer avançar bem”, prosseguiu referindo-se à assembleia sinodal.

O diretor da sala de imprensa da Santa Sé convidou os jornalistas a seguir o Sínodo sem “deixar-se confundir” por esta publicação que suscitou “confusão e discussão”, porque “o clima geral da assembleia é positivo”.

A este respeito, o cardeal Wilifrid Napier pediu que fossem desmentidas publicamente declarações que lhe foram atribuídas numa entrevista, a este respeito.

“Ninguém questiona o direito do Papa Francisco a escolher”, explicou hoje o cardeal sul-africano, através de uma nota enviada ao porta-voz do Vaticano.

Já após a coletiva de imprensa, o cardeal  Norberto Rivera, do México, também desmentiu em comunicado ter assinado qualquer carta.

Tal como aconteceu na reunião extraordinária de 2014, a comissão para a elaboração do relatório final (Relatio finalis) foi nomeada pelo Papa, incluindo o relator geral do Sínodo, cardeal Peter Erdo; o secretário-geral, cardeal Lorenzo Baldisseri; o secretário especial, Dom Bruno Forte.

A estes juntam-se seis participantes dos vários continentes e um representante da União dos Superiores Gerais dos religiosos: cardeal Oswald Gracias (Índia); cardeal Donald William Wuerl (EUA); cardeal John Atcherley Dew (Nova Zelândia); D. Victor Manuel Fernández (Argentina); D. Mathieu Madega Lebouakehan (Gabão); D. Marcello Semeraro (Itália); padre Adolfo Nicolás Pachón, prepósito-geral dos Jesuítas.

O abade Jeremias Schröder, um dos 10 religiosos eleitos como participante neste Sínodo, elogiou na coletiva de imprensa o “ambiente sereno” da assembleia e valorizou o impacto positivo dos trabalhos nos pequenos grupos linguísticos.

Thérése Nyirabukeye, leiga de Ruanda, recordou por sua vez o caminho percorrido neste país africano depois do genocídio, uma “reconstrução para a qual foi essencial o papel das famílias como fonte de reconciliação e amor”.

Já Moira McQueen, leiga canadense, falou num processo “muito democrático” em que todos os participantes no Sínodo são encorajados a participar, e considerou que a contribuição das famílias e dos leigos têm sido escutada.

 
Indique a um amigo
 
 

Copyright © Renovação Carismática Católica - Diocese de Joinville. Todos os direitos reservados